Arbolina: Novo estimulante mais resistente à seca

O uso de bioestimulantes na agricultura acarreta ganhos nas maiorias das culturas em que são empregados, desde as grandes, como soja, milho, feijão, cana-açúcar, entre outros, e até mesmo em hortaliças folhosas.

Vale destacar que o bioestimulante resulta em ganhos por melhorias fisiológicas que ocorrerem na planta, como maior potencial de água, maior teor de clorofila, ativação de ciclos enzimáticos e rotas metabólicas que até então trabalhavam na sua forma natural.

Para acessar a matéria na íntegra, clique aqui.

Fonte: Campo e Negócios